| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

Planejamento

Page history last edited by Neuza Rocha 15 years, 5 months ago

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL – UFRGS

GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA – PEAD

INTERDISCIPLINA PSICOLOGIA DA VIDA ADULTA

- EIXO V -

 

 

Professora SIMONE BICCA CHARCZUK

Alunas:

1. Mara Rosane Noble Tavares

2. Marília Valentina Astigarraga Kulmann - Líder

3. Neila Maria Rodrigues Goulart

4. Neuza Terezinha da Rocha

5. Sandra Caroni

6. Silvana Santos Martinez

 

Pólo de Gravataí

 

 

TECNOLOGIA NA VIDA ADULTA

 

 

Tema do Projeto: Ludicidade e Lazer no cotidiano

 

do Adulto como forma de inclusão no Mundo Digital

 

  

JUSTIFICATIVA

 

O presente trabalho de pesquisa, foi realizado no ambiente da Interdisciplina de Psicologia da Vida Adulta.

 

A escolha do tema se deu na primeira aula presencial e teve como pano de fundo nossas próprias realidades frente ao uso de tecnologias. Isto pelo fato de sermos alunas de um curso à distância e porque muitas de nós desconhecíamos ou ignorávamos o uso da tecnologia até então e, que de repente, passou a fazer parte do nosso dia-a-dia, proporcionando nossa súbita inclusão no mundo digital.

 

Vivemos em um momento onde a revolução tecnológica se faz presente, influenciando a todos, independente de idade, cor, sexo, ou classe social. Quando entramos, por exemplo, na Internet, estamos no mundo. Um mundo sem barreiras e nacionalidades. Com isto evidenciamos mudanças no comportamento das pessoas, suas relações com o meio, seu pensamento, sua ação frente ao mundo. Tudo indica que estamos diante de um novo paradigma que precisa ser desvendado e os adultos estão se deparando com esta nova realidade e estão procurando atualizar-se para que possam sentir-se incluídos neste mundo digital que está por toda a parte.

 

Nesse universo o adulto, por vezes, sente dificuldade de se encaixar, começa aos poucos através do acesso aos terminais eletrônicos para consulta de sua conta bancária; para realizar leituras de notícias ou e-books; aos jogos de paciência; as receitas culinárias; ao contato com parentes distantes que moram em outras localidades, entre outras formas de acesso que, de forma geral, apresenta-se para o indivíduo adulto dentro de uma esfera lúdica. A mudança do modo de interação e de parâmetros, a facilidade deste recurso e o tempo a sua disposição, proporcionam oportunidades de satisfazer suas necessidades e desejos ao se inteirar do universo virtual.

 

Outro aspecto a considerar é o das novas aprendizagens nesta fase da vida, pois vemos que o ser humano, em diversas e diferentes situações, aprende muito mais quando está realizando uma atividade de cunho lúdico. E não se faz nada diferente quando se trata de tecnologia. Assim o adulto passa a perceber que não pode correr o risco de ficar excluído destas mudanças globais .

 

Pretende-se com o presente projeto de pesquisa evidenciar como se dá a inclusão digital na vida adulta e analisar de que forma o acesso às tecnologias ganham espaço e significado em seu cotidiano, destacando aspectos  lúdicos de sua utilização, buscando com isto entender e comprovar como se dá essa relação nessa nova realidade emergente.

 

 

 

OBJETIVOS

 

- Comprovar a importância da inclusão da tecnologia na vida adulta, bem como, as mudanças de hábitos, atitudes e posturas ocasionadas a partir de então.

- Justificar a necessidade encontrada pelo adulto da inserção aos meios tecnológicos, bem como de suas utilizações;

- Identificar os aspectos lúdicos existentes no acesso às tecnologias;

- Evidenciar de que forma ocorre a inclusão digital na vida adulta;

- Identificar novas formas de interação social através do uso da tecnologia;

 -Comprender a importância da tecnologia no Ensino à Distância, e na inclusão de deficientes.

 

ESTRATÉGIAS

 

  Pesquisa de campo com observações e entrevistas devidamente registrados.

  Pesquisas em instituições que realizam atividades direcionadas ao adulto, auxiliando-o a se inserir no mercado tecnológico;

  Pesquisas em sites, livros, revistas e jornais;

Exposição dos objetivos respondidos através do Mapa Conceitual e do desenvolvimento das conclusões.

 

Instrumento de pesquisa

 

 

EMBASAMENTO TEÓRICO

 

 

Segundo Ann Heide e Linda Stilborne, as crianças de hoje estão nascendo em um mundo informatizado, onde a velocidade dos avanços tecnológicos e das informações é infinita. Tudo isto ao alcance de um botão. Apenas com um clic  a criança já é capaz de acessar este recurso quase sem limites. Desta forma, para os alunos o quadro, o giz, o caderno e livros, são ferramentas tradicionais e ultrapassadas, por tanto, inadequadas aos novos tempos; por outro lado, os computadores, o vídeo e outras tecnologias chegam mais perto da realidade dos alunos. Mas, o cerne da questão não está em qual tecnologia à escola deve dispor e sim, fundamentalmente, como todas as tecnologias serão utilizadas, ou seja, como será sua aplicação e, é aí, que entra a inserção do adulto no uso da tecnologia.

 

 

Ao analisarmos um sistema tradicional de ensino percebemos que este utiliza softwares desenvolvidos para transmitir o conhecimento ao aluno e, inclusive, estão programados para identificar erros. Exemplos destes: exercícios, jogos...( chamados tutoriais). Já as abordagens mais inovadoras, vão utilizar-se de instrumentos de pesquisa, cd's interativos e "divertidos", fazendo do computador um aliado no processo de construção do conhecimento. Exemplo: construção de multimídia, criação de banco de dados...( chamados aplicativos). Assim o uso do computador em sala de aula deverá estar  ligado à questão de saber qual a forma de ensino que queremos e fazemos.

 

 

Dentro de uma abordagem construtivista, o computador fornece um ambiente onde o aluno pode construir seu conhecimento sem choques, na medida em que coloca em xeque suas experiências e hipóteses ele passa  a trabalhar ativamente na construção do seu próprio conhecimento, por meio da resolução de problemas, do raciocínio, e do desenvolvimento do pensamento crítico.

 

 

      Para as autoras,

“As teorias atuais colocam a tecnologia nas mãos dos aprendizes para ajudar no desenvolvimento de suas habilidades cognitivas de ordem superior e falam do poder da tecnologia para acessar, armazenar, manipular e analisar informações, permitindo, assim, que os aprendizes gastem mais tempo refletindo e compreendendo”. (Ann Heide, 2000, p. 23)

 

 

Também, há de se ressaltar a importância da informação gerada pela facilidade de acesso à Internet, que favorece tanto aos alunos como aos professores o desenvolvimento da autonomia frente à organização das informações, exploração de ambientes, questionamentos, colaboração com os outros, na interação sincrônica com diferentes pessoas, em diferentes lugares e culturas, produzindo conhecimentos de maneira ativa. Com isso, ambos irão entender e respeitar as diferenças e similaridades entre as pessoas, as culturas, as políticas, as geografias e a própria língua que cada povo utiliza.

 

“ Sua visão de mundo e de seu lugar no mundo mudam, e o conteúdo do currículo torna-se atual, relevante e integrado a partir de uma perspectiva multidisciplinar e global”. (Ann Heide, 2000, p. 24)

 

 

            Utilizar a Internet, por exemplo, a serviço do aprendizado e do enriquecimento individual é sem dúvida uma aventura incrível, pois esta dispõe de uma ampla variedade de recursos envolvendo imagens, textos, sons e interatividade, um universo multimidi"d"ático.

 

 

            Pensar no uso de tecnologias pelos adultos não é tarefa fácil, pois estes, diferentes das crianças, tiveram que adaptar-se a esta nova exigência tecnológica para poderem ser incluídos tanto no mercado de trabalho, quanto na vida social. 

 

 

O terceiro milênio está sendo marcado pela rapidez com que ocorrem os avanços tecnológicos. Hoje vemos uma nova versão da realidade, onde há inúmeras possibilidades dos usuários de tecnologias serem encarados não só como simples consumidores passivos de produtos e serviços, mas sim como produtores de mídias, ou seja, estas favorecendo a autoria, o que sabemos que auxilia na auto-estima mais elevada, no desenvolvimento da criatividade e da livre expressão. Todo este aparato tecnológico é de fácil entendimento para a criança de hoje, uma vez que nasceram num ambiente rico em tecnologias. Com isto a maioria das crianças e jovens utilizam de forma natural, sites, Blogs, games, softwares de comunicação, telefones celulares com tecnologia de foto e vídeo, bem como de computadores. Espaço que os adultos estão tendo que entrar, mas apresentando resistências e muitas vezes limitações.

 

 

Outro aspecto a considerar com o uso das tecnologias, são que as interações sociais no mundo virtual são simbólicas, onde foram se constituindo através da exigência de uma convivência em um espaço virtual. Hoje podemos constatar vários namoros utilizando os espaços da web; os “bate-papos” com amigos são estabelecidos utilizando programas como o Messenger; jogos (games) sendo realizados de forma coletiva, estando os participantes em diferentes lugares, antes eles foram acusados de estimular a violência e afetar a concentração dos jovens, mas sabe-se que várias pesquisas foram feitas e cientistas constataram que os jogos eletrônicos estimulam o córtex cerebral e melhoram o controle motor de seus usuários.  Houve também uma explosão quanto ao surgimento de sites de relacionamentos com o intuito de agrupar pessoas que apresentam interesses comuns; músicas e filmes são compartilhados havendo uma grande rede de trocas e intercâmbios, ligando pessoas de diferentes lugares e culturas. Tudo isto numa simples manobra de conexão através da internet. Este mundo está se abrindo ao adulto, que para ser incluído, teve que adaptar-se, e hoje experimenta novas formas de vida que lhe proporciona um leque de possibilidades de não mais sentir-se só e de ampliar seu círculo de amizades.

 

 

            A forma com que os adultos iniciam seu contato com as novas tecnologias, mais precisamente a informática, já foram estudadas, e pesquisas mostram que o envolvimento dos usuários com a internet se dá dentro de padrões semelhantes de comportamentos. Seu primeiro contato geralmente gera um sentimento que pode ser encarado como de encantamento pela descoberta. Após este é seduzido pelas diversas ferramentas que pode ser utilizada que são os chats e e-mails. Na etapa seguinte, este já está pronto para aventurar-se na produção de seus próprios sites, blogs, wikis, o que é entendida como uma diversão, mas que exige um embasamento técnico, o levando ao aprofundamento em pesquisas e outros suportes. Este instrumento associado ao uso da Internet faz com que as pessoas assumam a responsabilidade pelo seu próprio construir-se, visto que, está a sua  disposição o acesso de recursos que facilitam a aprendizagem e que as transformam em atores na sua busca pelo conhecimento, bem como em sujeitos críticos e envolvidos nas diferentes formas de interação. Com a disponibilidade desse recurso pode-se constatar uma nova postura dos alunos e professores frente à aprendizagem, pois podem utilizar bibliotecas virtuais, interagir com pessoas, trocar idéias, brincar e ultrapassar a barreira da idade, gênero, condição social e distância. Também, é possível participar na construção de projetos colaborativos em diferentes espaços e níveis, onde a visibilidade de suas produções é fator estimulante. Com isso, abre-se um “portal” de inúmeras possibilidades de construção no mundo virtual, o que fascina os adultos de uma forma geral.

 

 

Com a utilização cada vez mais crescente da informática em diversos locais, ampliando o acesso a boa parte da população, e  a popularização da Internet, vemos que  hoje também esta sendo incorporada nas instituições de ensino e na Educação à Distância (EAD). Esta modalidade de Educação à Distância, proporciona a auto-aprendizagem e o acesso à Educação a todos aqueles que não têm condições de freqüentar uma instituição de Ensino. A EAD, através da Internet apresenta  uma nova perspectiva de cidadania para as pessoas com deficiência, principalmente, para as que não podem locomover-se ou as que ficam internadas em hospitais por um longo período de tempo e que, com isso, ficariam alheias ao sistema educacional. A utilização da informática pelas pessoas com deficiência dá-se através de recursos adaptados. Existem, no mercado, diversos softwares e periféricos de computadores que permitem diminuir a distância entre o possível e o inacessível, proporcionando, dessa forma, a democratização do ensino, da informação e da socialização, além do desenvolvimento cognitivo e sócio-afetivo. Podemos citar o exemplo do famoso cientista inglês STEPHEN HAWKING, personalidade internacionalmente reconhecida pela importância de sua obra na área da Astrofísica e da Cosmologia que utiliza-se de recursos tecnológicos como um representante de voz para comunicar-se, o que lhe permite contribuir com suas idéias brilhantes à humanidade. Assim, “Pensar numa sociedade melhor para as pessoas deficientes é, necessariamente, também pensar numa sociedade melhor para todos nós”. (RIBAS, 1998, pg. 98) 

 

 

Desta forma, para que se tenha assegurada à igualdade de direito de uma sociedade democrática, resta colocar em prática o direito de dispor desses recursos para que seja possível atingir o real sentido de uma educação para (com) todos, assegurada em lei pela Constituição Federal e que vai ao encontro da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9.394/9:

Art. 3º I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art. 4º III - atendimento educacional especializado gratuito aos educandos com necessidades, preferencialmente, na rede regular de ensino.

 

 

            Hoje ao analisarmos a rapidez com que as descobertas e a tecnologia se desenvolvem, temos obrigatoriamente de deixar de lado aquele pressuposto de que só há conhecimento e construção de conhecimento dentro da sala de aula para o aluno, já o que vemos, hoje é a existência de uma infinidade de coisas a aprender fora da sala de aula e a escola não pode virar às costas para este fato. Assim o papel do professor, no contexto presente, passa a ser o de parceiro facilitador, em outras palavras, um companheiro para o aluno na construção de conhecimentos válidos para ambos. 

 

 

“Os alunos aprendem a definir suas necessidades de aprendizagem, encontrar informações, estimar seu valor, construir sua própria base de conhecimento e comunicar suas descobertas”. (Ann Heide, 2000, p. 37) 

 

 

Já demonstramos acima, que não é apenas o aluno, o professor também carrega esse aprendizado para sua vida pessoal. O professor tem um grande leque de opções metodológicas, de possibilidades de organizar sua comunicação com os alunos, de introduzir um tema, de trabalhar com os alunos presencialmente e virtualmente, e de avaliá-los.Cada professor deve encontrar a forma mais adequada de integrar as várias tecnologias e procedimentos metodológicos. Não se trata de dar receitas prontas porque as situações são as mais diversas e cabe ao professor ter o "jogo de cintura" adequado para lidar com cada uma delas. 

 

 

 “Para ter alunos exploradores, precisamos de professores que estimulem a exploração. Para lidar com a era da informação dentro e fora da sala de aula, precisamos de professores que possam ensinar os alunos a gerenciar as informações por meio das tecnologias disponíveis e que possam ajudá-los a transformar informações em conhecimento”.  (Nancy Hechinger e Melissa Koch (1993), “Beyond the light bulb”. Technos: Quarterly for Education and Technology, 2(1): 23. (Apud FALCÃO, 2001) 

 

 

Para Aníbal Soares, é muito importante preparar o professor para lidar com a máquina, pois o mesmo não estará só adquirindo habilidades e competências técnicas e pedagógicas, mas tornando-se um verdadeiro educador.

 

   Quanto ao aspecto que envolve as famílias relacionada ao uso das tecnologias no aprendizado de seus filhos, a revista  Nova Escola, edição de abril/2008, divulgou uma pesquisa realizada com o Instituto Fernand Baudel de Economia Mundial e a Fundação Victor Civita sobre qual a visão dos pais, portanto, adultos, sobre a educação recebida pelos filhos, especialmente na rede pública. O  resultado da pesquisa aponta que o ensino é visto como fator de mobilidade social e um dos itens em destaque é a inclusão digital. Nessa  perspectiva foram apontadas as Lan houses como sendo um local utilizado para os alunos realizarem pesquisas e trabalhos escolares, superando as bibliotecas escolares; na concepção dos pais a informatização tem extrema importância hoje, eles apontam os cursos de computação como atividades extra-escolares que deveriam ser oferecidos pela escola. Todos estes fatores estão ligados à busca do sucesso da aprendizagem por crianças, jovens e adultos. Também, em pesquisa feita com crianças com dificuldades de aprendizagem e baixo rendimento escolar, a revista aponta que os softwares educativos estimulam o aluno a seguir adiante no seu processo de aprendizagem, tendo o professor como mediador entre o educando e o computador na oportunização de acesso e construção significativa de conhecimentos.

 

 

Outro aspecto a considerar diz respeito à questão do erro no processo de aprendizagem. Pois, segundo os próprios estudantes, na correção feita pelo computador ninguém fica sabendo se seus erros são mesmo erros ou não, o corretor ortográfico do editor de texto, também não passa "bronca" ou reprimenda, não há nenhuma forma e constrangimento, apenas questionamentos e busca de soluções, o que contribui de forma positiva para o seu avanço nos estudos sem entraves para as descobertas, de uma forma estimulante e descontraída. Porém, ainda necessita-se de alguém que tenha se preparado previamente para exercer um olhar crítico e específico para orientar intencionalmente o processo. Hübner (1998),ressalta que o sistema de punição pode conduzir à revolta, à agressividade, ao desânimo ao desinteresse e, lembra que, ao longo do tempo isso pode tornar-se numa atitude de oposição à escola e um anti-saber, o que no futuro, pode torná-lo um adulto desinteressado por seu constante progresso. Então, o educando começa a evitar expor suas produções e até expressa raiva quando o educador, pais ou amigos corrigem seus erros. E, é neste momento que pode emergir o comportamento de resistência ao processo de aprendizagem. O uso do computador como ferramenta, evita esse processo.

 

Um grupo de alunos de informática, das faculdades SPEI, entre eles Carlos Tancara, Guilherme R. S. Oliveira, Marcos Tancara e Orlei Pombero, realizaram uma pesquisa intitulada "Filhos da era digital", onde relataram suas observações, entre outras, de que  atualmente computadores são tão comuns quanto televisores dentro dos lares, chegando a ocupar maior prestígio do que o televisor. Afirmaram ainda mais, que esse fenômeno atinge as mais diversas classes sociais, e saem dos lares e do ambiente de trabalho, para chegarem até às escolas, onde estamos passando hoje por uma transição, do giz ao computador. A partir do momento em que os computadores foram popularizados, os mesmos se tornaram acessíveis às crianças, se tornando um objeto importante dentro da formação da criança. Tudo isso já é fato e notório, mas o que eles realmente enfatizaram ao realizar esse trabalho,é de que pais e professores necessitam adotar uma postura e desenvolvam um profundo conhecimento do que é apropriado para cada idade, parta que não se perca nenhuma fase da infância ou adolescência para o computador.

Antigamente a criança brincava de bonecas, cariinho, pega-pega, entre outras tantas brincadeiras. Hoje elas querem é navgar na internet, papear nos chats, brincar com joguinhos eletrônicos, usando e abusando da internet, que hoje em dia é o "único" meio de salvar o jovem ao realizar um trabalho da escola. A grande preocupação dos pais é exatamente neste ponto, onde a criança passa mais tempo dentro de casa, assistindo TV, jogando videogame, ou usando o computador abusivamente, o que acarreta no amadurecimento intelectual precoce da criança, comprometendo drasticamente o seu desenvolvimento, pois ela deve ter fases específicas na sua vida, tanto física quanto psíquica. Daí o dilema dos pais, trazer o computador para dentro de casa, para que o filho não se sinta excluído, ou preservar sua infância natural e seu desenvolvimento físico. O afastamento de seu filho em relação ao computador, gera no pai a sensação de que seu filho está atrasadoperante as outras crianças e que ele futuramente possa ser um adulto despreparado para a vida profissional e social.

O uso controlado do computador pela criança, contornaria facilmente essa preocupação dos pais, bastando que eles aprendessem a se beneficiar dessa ferramenta poderosa: o computador.

Descobrir qual a contribuição os recursos tecnológicos podem trazer para o processo de aprendizagem de crianças e jovens é a dúvida de pais e educadores, mas as TIC's se utilizadas de forma correta, e com mediação de um adulto, educador ou pedagogo, podem propiciar um ambiente de colaboração e cooperação entre elas. A interação das crianças e jovens com as TIC's demonstrou que esses recursos favorecem o aumento da auto-estima e o interesse de aprender coisas novas. Havendo uma ponderação no uso do computador dentro de casa ou na escola, aproveita-se somente o que o computador tem de bom a oferecer, protegendo as crianças e jovens de problemas reais, como pedofilia na internet, violência digital e problemas fisicos e doenças provenientes do uso excessivo do computador. O computador é uma realidade na sociedade atual, mas não pode substituir fases na vida de uma criança ou jovem.

Então, após essa análise, foi analisada a capacidade de pais e professores de lidar com essa situação. Embora o computador seja muito comum nos dias de hoje, tanto pais quanto professores ainda se deparam e esbarram no seu analfabetismo tecnológico. Então como ajudar a criança e o jovem, tendo em vista suas próprias limitações?

Pensando nisso, muitos adultos, mesmo aqueles já formados em faculdades conceituadas, ou até mesmo donas de casa, passaram a intensificar sua busca por conhecimento em tecnologias, aumentando seus conhecimentos, para poder aumentrar o das crianças também. Alguns pais simplesmente iniciaram sua jornada nos computadores para compartilhar com seus filhos sua adolescência, como no caso de uma página de relacionamentos na internet muito utilizada pelos jovens e até mesmo crianças, chamada Orkut, bem como salas de bate-papo, o MSN, aberta a todos.

Portanto, a cada dia que passa, o homem avança um pouco mais em tecnologia, cada um com suas motivações, mas todos caminhando em um rumo só, o da tecnologia.

 

 

 

Segundo Bruner (1968), o saber é um processo e uma das funções do ensino é permitir o erro instrutivo. O erro é instrutivo quando o educando adquire a compreensão do que está errado em seu ato para não repeti-lo novamente, ou seja, deve ser possível utilizar o erro para torná-lo compreensível. O autor comenta que o problema é encontrar instrumentos que desafiem o bom aluno sem destruir a confiança e o desejo de aprender daqueles que apresentam dificuldades. A motivação é muito importante para que ocorra a aprendizagem, Fiamenghi (2001) esclarece que os estímulos externos podem aumentar ou diminuir a força do motivo, mas lembra que o processo é interno - organizado pelo indivíduo. Weiss e Cruz (1999), afirmam que o erro é menos frustrante ao ser apontado pela máquina e não pelo educador e foi esta assertiva que selou nosso trabalho.

 

 

O software educativo ameniza a má disposição frente ao processo educacional, pois desafia e desperta a curiosidade do educando. Freire (1996) comenta que o exercício da curiosidade convoca à imaginação, à intuição, às emoções, à capacidade de conjecturar e de comparar. É exatamente nesse estágio, como alunas e adultas, que nos encontramos.

 

 

CONCLUSÕES

 

( EM CONSTRUÇÃO)

 

     Vemos como as pessoas tornam-se autores, pesquisadores, sujeitos de transformação em seus espaços, interagindo, colaborando e permitindo que a interação aconteça de maneira síncrona ou assíncrona, mas todas elas voltadas para a transformação da informação em conhecimentos de forma lúdica e prazerosa. É o que estamos vivenciando como alunas do PEAD nesse momento. Desta forma, a distância não é mais fator de isolamento, é provocadora da busca pela diversidade e interação gerando conhecimentos múltiplos, é através dela que nos deparamos com a mudança, a independência, o desenvolvimento das habilidades, a cooperação e a comunicação, todos vivendo um mesmo processo com inúmeras possibilidades de construção de conhecimentos.

 

 

            É na busca desses conhecimentos que estamos nos inserindo no mundo virtual e essa experiência tem sido recheada de descobertas de novas capacidades; de espaços alternativos para o lazer; de “brinquedos”, digo aparelhos, cada vez mais sofisticados que nos permitem viver o tempo plenamente, pois nos liberam de tarefas menores; de interações ricas e gratificantes; de aprendizados no campo da pesquisa, que nos abrem novos horizontes como parceiros de nossos alunos.

 

 

Estamos totalmente envolvidas e encantadas com as novas possibilidades que nos são apresentadas diariamente, com nossas aprendizagens, e com as conquistas diárias, que por mais simples que sejam são comemoradas como se fossem grandes façanhas. Pretendemos  cada vez mais  aprofundar nossos conhecimentos no tocante ao mundo virtual como parceiro do real no suporte, auxílio e entretenimento na vida adulta, pois este só tem a acrescentar em nossa vida pessoal e profissional,  como alunas e professoras, engajadas no presente e preocupadas com o futuro dos alunos que serão os adultos de amanhã.

 

          O professor como um eterno aprendiz precisa esta inserido no mundo virtual, pois isso, lhe facilita aprender, aprendendo, poder guiar com maior segurança o processo de aprendizagem de seus alunos.

 

          O professor como facilitador de aprendizagem deve encontrar a forma mais adequada de integrar as várias tecnologias e procedimentos metodológicos; não se trata de dar receitas prontas porque as situações são as mais variadas e cabe ao professor ter "o jogo de cintura" adequado para lidar com cada uma delas.

 

          Com o auxílio de Internet o professor tem a possibilidade de modificar facilmente a sua forma de ensinar e aprender.

 

O papel do professor se amplia, significativamente, do informador de aprendizagem, em em gerenciador de pesquisa e comunicação.

 

          Em relação a Internet, procurar que os alunos dominem as ferramentas de Web, que aprendam a navegar e, que se possível, todos tenham um e-mail e criar uma lista interna da turma semelhante ao ambiente criado e vivenciado por nós no PEAD.

 

          Aulas informação onde o professor mostra alguns cenários, algumas sínteses, dá as coordenadas de uma questão ou outra.

 

          Aulas pesquisas, onde o professor e os alunos procuram novas informações: cercar um problema, desenvolver uma experiência, avançar em um campo desconhecido.  professor sensibiliza, dá os primeiros passos, depois o papel do professor passa a  ser o de gerenciador do processo de aprendizagem; é o coordenador de todo o andamento da aprendizagem; é o gestor das diferenças e convergências.

 

          Os grandes temas da matéria são iniciados pelos alunos, às vezes, em grupo, às vezes, individualmente. Passa-se num segundo momento à pesquisa mais focada, mais específica, a partir dos resultados anteriores.

 

          A Internet favorece a construção cooperativa e o trabalho conjunto entre o professor e o aluno, permitindo a socialização do conhecimento.

 

          O que muda no papel do professor?

 

          Muda a relação de espaço, tempo e comunicação com os alunos. Os espaços de trocas aumenta, da sala de aula para o virtual. O processo de comunicação se dá na sala de aula, na Internet, atavés do e-mail, no chat, no fórum. É um papel que combina alguns momentos do professor convencional, às vezes,é importante dar uma bela aula expositiva, como tantas vezes acontece no PEAD, em nossas aulas presenciais.

 

          É, sobretudo, um papel de animação e coordenação muito mais flexível e constante que exige um professor mais atento, mis "ligado", mais sensível e, lógico, com domínio de tecnologia.

 

           A motivação dos alunos aumenta significativamente quando realizam pesquisas, onde se possam expressar em formato e códigos mais próximos da sua realidade. Mesmo uma pesquisa escrita, se o aluno puder utilizar a Internet, adquire uma nova dimensão.

 

          A matéria prima da aprendizagem é a informação organizada, a informação transformada em conhecimento. A cada dia que passa com a evolução da tecnologia o professor passa a ser incentivador , mediador não apenas da informação, mas da construção do conhecimento de uma forma envolvente de maneira que passa de simples coadjuvante, a autor e criador, junto com seus alunos.

 

     O computador, portanto, não substitui a figura do professor, ainda cabe a ele fazer as intervenções necessárias de forma que as lacunas  deficiências no processo ensino-aprendizagem sejam sanadas quando a criança ou qualquer indivíduo, enontra-se no papel de aprendiz, por essa razão, o adulto não pode se excluir do mundo digital.

 

     TODAS NÓS ENQUANTO ALUNAS DO PEAD SOMOS UM EXEMPLO VIVO DA IMPORTÃNCIA DA TENOLOGIA E AS NVAS MÍDIAS NAS NOSSAAS VIDAS, TANTO PROFISSIONAL COMO PESSOAL. MUITAS DE NÓS ÉRAMOS VERDADEIRAS ANALFABETAS DIGITAIS, BEM AGORA, SOMOS SEMIANALFABETAS DIGITAIS , O QUE REPRESENTA UM GRANDE PASSO PARA O FUTURO.

HÁ MUITO O QUE APRENDER , O CAMINHO É LONGO...MAS O QUE IMPORTA É QUE ESTAMOS INSERIDAS NESSE MUNDO VIRTUAL E CONCLUIMOS QUE DURANTE ESSE PROJETO NOS SENTIMOS IMENSAMENTE ENVOLVIDAS E, SEM NOS DARMOS CONTA, AOS POUCOS, TAMBÉM CRESCEMOS NO DOMÍNIO DESSAS TECNOLOGIAS

 

 

ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS

QUESTIONÁRIO

Pela análise dos dados coletados no questionário, conclui-se que a maioria das pessoas não pensa mais suas vidas sem a presença da tecnologia, embora muitas aleguem que não sentiriam sua falta; as múltiplas utilidades da tecnologia se fazem presentes em suas vidas através de outras máquinas que ajudam na comodidade, comunicação e bem estar diário, inclusive na realização de tarefas ditas menores para que as pessoas tenham mais tempo livre.

Nesse sentido, o lazer mistura-se com outras atividades sejam elas culturais ou de trabalho, de convívio doméstico ou de interação com outros indivíduos que estão no mundo.

O PC, além de instrumento de trabalho é considerado um meio de diversão, pois as pessoas afirmaram que se divertiam enviando e-mail, lendo livro, ouvindo música e através de jogos simples como paciência, forca, etc...

A necessidade foi a mola propulsora da busca de instrumentação tecnológica entre as pessoas pesquisadas, a curiosidade e o auxílio dos jovens parecem ter contribuido no processo de inclusão tecnológica.

Ficou evidente através do questionário que a maioria dos professores possuem computador , alguns para se divertir, outros para estudar, porém, não utilizam o computador com seus alunos, pois suas escolas, na grande mioria,não possuem Laboratório de Informática. O que concluimos como professores é que estamos constituindo um grande prejuízo e motivo de exclusão para nossos alunos de uma sociedade altamente tecnológica e competitiva o que não condiz com os princípios da gestão democrática que propaga que todos tenham "voz" e "vez".

OFICINA

O adulto muitas vezes se sente ameaçado pelo desconhecido e por isso, num instinto de auto defesa, toma distância do objeto que teme. Através da oficina realizada com os professores, numa tentativa de inclusão da Informática em seus planejamentos, foi possível aproximá-los desse objeto tão temido por suas possibilidades de autonomia e velocidade de informação, o computador.

Com os jogos e atividades do cd RIVED foi possível mostrar aos professores que suas disciplinas podem ser dadas com o auxílio desse instrumento sem descartar a presença sábia e continente que ainda é o professor.

Como foi dito na página dos instrumentos de pesquisa todos foram direto para os joguinhos sem dificuldade nenhuma. A sala era só concentração e trabalho cooperativo mediado por computador. Brincadeira é coisa séria, trabalha vários níveis mentais e emocionais, fantasias, tensões e outras coisas mais. Crianças, jovens e adultos desenvolvem as habilidades cerebrais superiores de maneira muito prazerosa e lúdica.

Com essa experiência, que foi a segunda, os professores começaram a agendar mais aulas e a acompanhar seus alunos no Laboratório de Informática.

ENTREVISTA

A tecnologia traz, segundo a entrevistada, independência, aproximação, interação e informação para a vida dos deficientes visuais.  Representa também uma fonte de entretenimento, pois a entrevistada afirmou se divertir ouvindo música, piada e lendo. Acreditamos que não apenas para os deficientes, fazendo um trocadilho, torna a vida de todos mais eficiente.

 

           SÍNTESE DAS APRENDIZAGENS EXPRESSAS NA CONCLUSÃO

Para visualizar melho, clique no link

Uso das Tecnologias pelos adultos como forma de interação e lazer

 

 

 

 

 

CONSULTAS BIBLIOGRÁFICAS

 

 

- ASSIS, Rodrigo Lemos de. FACILITANDO A PERCEPÇÃO EM AMBIENTES

VIRTUAIS DE APRENDIZADO ATRAVÉS DA ABORDAGEM GROUPWARE – Tese de Mestrado - Departamento de Informática da PUC-Rio. Orientador: Hugo Fuks – janeiro de 2000.

 

- CARNEIRO, Pedro Paulo. ENTREVISTA: Conversando sobre Televisão e Interatividade com Pedro Paulo Carneiro. Revista Mídia e Educação.

 

- DEMO, Pedro. Professor Titular da Universidade de Brasília. Doutor em Sociologia pela Universitat Des Saarlandes - Alemanha. Pós-doutorado na UCLA - Los Angeles, EUA - PALESTRA - A Pesquisa e a Produção no Contexto do Setor Público  I Seminário de Políticas Públicas no PR - ABERTURA,

CELEPAR Informática do Paraná. Paraná, 2007.

 

- ESTRÁZULAS, Mônica, Interação e Cooperação em Lista de Discussão, 1999.

 

- FALCÃO, Reginaldo Araújo. USO DE AMBIENTES VIRTUAIS ATRAVÉS DA INTERNET NO ENSINO A DISTÂNCIA: APLICAÇÃO NO CEFET/RN - Dissertação de Mestrado. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Prof. Ricardo Miranda Barcia, Dr. Coordenador do Curso. Florianópolis, 2001.

 

- GOUVEIA, Luís Manuel Borges. CSCW – Trabalho Cooperativo Suportado por Computador – Aveiro, janeiro de 2002.

 

- HEIDE, Ann, Guia do Professor para a Internet: completo e fácil / Ann Heide e Linda Stilborne; trad. Edson Furmankiewz.-2.ed.-Porto Alegre: Artes Médicas sul, 2000.

 

- GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José E. (Orgs.) Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2000.

 

- GREGIO, Bernardete Maria Andreazza. A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: As Representações Sociais e o Grande Desafio do Professor Frente ao Novo Paradigma Educacional - Revista Digital da CVA-Ricesu ISSN 1519-8529.Mestranda / Programa de Mestrado em Educação/UCDB.

 

- GUIMARÃES Jr., Mário José Lopes. A Cibercultura e o Surgimento de Novas Formas de Sociabilidade. Trabalho apresentado no GT "Nuevos mapas culturales: Cyber espacio y tecnologia de la virtualidad", na II Reunión de Antropologia del Mercosur, Piriápolis, Uruguai, de 11 a 14 de novembro de 1997.

 

- MANTOVANI, Ana Margô. Interação, colaboração e cooperação em ambiente da aprendizagem computacional – UFRGS – Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação – Oficinas Virtuais de Aprendizagem II - OFICINA DE BLOGS PEDAGÓGICOS.

 

- MARCELO, C. Formación y Nuevas Tecnologías: posibilidades y condiciones de la teleformación como espacio de aprendizaje, 1999.

 

- MEDINA, Nelkis de la Orden. AVALIAÇÃO DO PENSAMENTO CRÍTICO EM UM CENÁ RIO DE ESCRITA COLABORATIVA – Tese de Pós-Graduação - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Prof. Dr. Paulo José de Freitas Filho- Florianópolis, 2004.

 

- MOECKEL, Professor Alexandre. CSCW: CONCEITOS E APLICAÇÕES PARA COOPERAÇÃO - Curso de Especialização em Gestão do Desenvolvimento de Produtos - Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná - Disciplina: Ferramentas de Trabalho Cooperativo – CEFET/PR - Ministério da Educação.

 

- NITZKE, Julio A.; CARNEIRO, Mára L. F.; GELLER, Marlise; SANTAROSA, Lucila Costi. CRIAÇÃO DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM COLABORATIVA Trabalho apresentado durante o X SBIE, nov 99, Curitiba/PR -Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pós-Graduação em Informática na Educação - Núcleo de Educação Especial.

 

- PAPERT, Seymour. A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre, RS, 1994 - Artes Médicas. Editora ARTMED

 

- PICANÇO, Alessandra de Assis; LAGO,Andréa Ferreira; BONILLA, Maria Helena Silveira; PRETTO, Nelson De Luca; LIMA, Sidnei Alvaro de Almeida; HETKOWSKI, Tânia Maria. CONVERSANDO SOBRE INTERATIVIDADE. Grupo de Educação e Comunicação/NEPEC/FACED/UFBA.

 

- PRIMO, Alex. ENFOQUES E DESFOQUES NO ESTUDO DA INTERAÇÃO MEDIADA POR COMPUTADOR. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

 

- RICARTE, Ivan Marques – Relatório: Projeto SAPIENS - Interatividade- A Escrita na Internet - A relação entre novas tecnologias e os modos de produção e recepção de texto escrito - A mescla de linguagens construtiva do hipertexto. Coordenador: Léo Pini Magalhães, 2001.

 

- SOUZA, Okly de & Zakabi, Rosana. Imersos na Tecnologia — e mais espertos. Revista Veja, São Paulo, 11 jan. 2005.

 

- STAHL, Gerry; KOSCHMANN, Timothy; SUTHERS, Dan Suthers. Aprendizagem colaborativa com suporte computacional: Uma perspectiva histórica - Traduzido por: Hugo Fuks, Tatiana Escovedo (Português do Brasil).

 

Sites Pesquisados

   

http://www.multirio.rj.gov.br/portal/riomidia/rm_materia_conteudo.asp?idioma=1&idMenu=5&v_nome_area=Artigos&label=Artigos&v_id_conteudo=67274 (pesquisado em 12/10/08)

 

http://74.125.45.104/custom?q=cache:cxcmaAXxuf0J:homer.nuted.edu.ufrgs.br/ObjetosPEAD2006/tics/informatica_na_educacao.ppt+inform%C3%A1tica+na+educa%C3%A%C %A3o%2Bprocesso+ensino+aprendizagem&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=6&client=pub-2808051115066427

(pesquisado em 12/10/08)

 

http://aseducativo.wetpaint.com/page/2.1-Teorias+de+aprendizagem?t=anon (Pesquisado em 12/10/08)

http://mathematikos.psico.ufrgs.br/Paradigmas_Projetos/congresso.html (Pesquisado em 12/10/08)

 

http://74.125.45.104/custom?q=cache:cQI7qq_pAAsJ:www.fsp.usp.br/acessibilidade/cd2005/conteudo/ATIID2003/MR1/07/InteracaoAutistaMeioInformatico.doc+paper+inform%C3%A1tica+na+educa%C3%A7%C3%A3o&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=7&client=pub-2808051115066427 (Pesquisado em 12/10/08)

 

http://www.infoeduc.mais br.com/arquivos/ensino%20%20aprendizagem.pdf   (pesquisado em 12/10/08)

 

http://portalprofessor.mec.gov.br/journal.action?editionId=2 - REVISTA NOVA ESCOLA, abril 2008, Nº211, ano XXIII, Editora Abril. CRISTIANE Scatone em O Software Educativo, sem medo de errar. (acessado em maio de 2008)

 

http://www.minerva.uevora.pt/cscl/

SITE TECNOLOGIA EDUCATIVA. Aprendizagem Colaborativa Assistida por Computador (CSCL - Computer Supported Collaborative Learning) (acessado em maio de 2008)

Comments (30)

neuza3241@hotmail.com said

at 3:59 pm on Oct 12, 2008

Marília era para ser justificativa, mas dei uma desarrumada legal na página. Também estou cansada, são muitasemoções e tudo contigo....Bjs

neila goulart said

at 1:43 pm on Oct 13, 2008

Olá Gurias!!!

Coloquei algumas idéias que creio que possam auxiliar na escrita coletiva de nossa justificativa do tema.
Fiquem a vontade para alterar ou complementar.

Não sei se entendi direito o que deveríamos fazer, mas entendi que cada uma escreveria alguma justificativa, para depois escrevermos uma que contemple as idéias do grupo.

Beijos e até breve!!!

era isso mesmo????

Mara Tavares said

at 2:57 pm on Oct 13, 2008

Gurias, apaguei os links de planejamento que indicavam a página em que estamos a trabalhar, não à necessidade dessa hipérbole.
bjs no coração, Mara.

Simone said

at 9:40 am on Oct 14, 2008

Oi meninas, quantas idéias!! Agora é partir para um texto integrado, o que acham? Abraços, Simone

neuza3241@hotmail.com said

at 4:56 am on Oct 15, 2008

Prf Simone, já havia falado para as colegas, justameente o que a senhora colocou. Já combinamos tudo e com certez em breve construiremos um texto integrado. Abraços. Neuza

neuza3241@hotmail.com said

at 5:07 am on Oct 15, 2008

Bom dia MACACADA!!!!!!!!! Não falei para voçês que já tínhamos idéias suficientes para fazermos um texto integrado? Portanto, nada de estress, vamos manter acalma e somar forças que unidas chegaremos lá e com sucesso!!! Sem esquecer que contribuição por mónima que seja, de cada uma,é essencial e necessária para formarmos o todo. Vamos em frente!!!
Beijos a todas.

neuza3241@hotmail.com said

at 5:11 am on Oct 15, 2008

Querida Sandra

É com grande alegria e satisfação que estou percebendo sua colaboração no grupo, obrigada.Isso me deixa duplamente feliz, pois significa que estas te restabelecendo e pronta para seguir a caminhada junto conosco. Força, amiga, o final do semestre já está próximo.
Um forte abraço.

Sandra Caroni said

at 6:50 pm on Oct 15, 2008

Obrigado Neuza, tenho me esforçado para não ficar de fora desta empreitada, ando meio de muletas mas estou correndo atrás do prejuízo. quero chegar junto.
Beijão

neila goulart said

at 6:03 pm on Oct 16, 2008

Olá Gurias!!!!

SANDRA...É muito bom te ter conosco novamente...Força, estamos aqui prá ajudar no que precisares. Ok?

Quanto ao trabalho...
Gurias...Fiquei responsável de integrar nossas justificativas em uma única. Estou trabalhando nela. Quando concluir onde devo postar? Não gostaria de deletar aquelas que as colegas escreveram, então como devo proceder?

Estou aguardando orientações...Mãos a obra gurizada!!!!
Ou melhor, tá na hora de nós brincarmos com as tecnologias!!!!Iupi!!!!

Beijos

Neila

Sandra Caroni said

at 7:01 pm on Oct 16, 2008

Obrigado Neila, constatei que tenho as MELHORES COLEGAS DO MUNDO e por isso estou aqui.
Bjus, Sandra

Mara Tavares said

at 2:14 pm on Oct 17, 2008

Ei gurias, parem com isso, vocês vão deixar a Sandra emocionada e, se ela se emocionar muito (como quem mora na aldeia conhece os cablocos...), vai dar-lhe novo piri-paque e daí ela não trabalha mais! hehehehe, brincadeirinha...
É isso aí Sandra, agora, vou te entregar:
Mesmo operada, essa medonha não parou! Estava morta de medo que a ansiedade colocasse a recuperação a perder! Graças a Deus, deu tudo certo no final!
bjs no coração, Mara.

Mara Tavares said

at 4:49 pm on Oct 18, 2008

Neila, to postando aqui porquê o e-mail que te mande voltou!
Palmas, tá uma obra-prima. Não muda nada!
Apaga o que tem lá no planejamento pra parte da justificativa e põe essa.
Tá 100000000000000!
bjs no coração, Mara.

neila goulart said

at 3:24 pm on Oct 20, 2008

Oi Gurizada!!!

Como combinado fiz a síntese das nossas justificativas. Agora vou continuar as pesquisas, Ok????
Qualquer mudança de plano me avisem...beijos e vamos brincar!!!!

neila goulart said

at 3:26 pm on Oct 20, 2008

Gurias!

estava me esquecendo...Não consegui formatar o texto da justificativa...Não sei se foi o meu PC (que vocês sabem é uma carroça), ou o Pbwiki que estava de piti! Então quem puder dar uma arrumada naquelas fontes, vou ficar grata.

Agora, sim...Fui!

neuza3241@hotmail.com said

at 4:46 pm on Oct 22, 2008

Neila, o texto dajustificativa já está devidamente formatado,não por mim é lógico.
Na justificativa, alterei uma concordância e também transformei um parágrafo em dois, me parece que fica melhor. Por favor leia, se achares melhor retornar a anteiror; faça sem cerimônia.
Bjs. Neuza

neila goulart said

at 5:25 pm on Oct 24, 2008

Ok ! Neuza, ao meu ver ficou perfeito. Obrigada pela ajuda.....
Creio que agora temos que deletar as outras justificativas individuais... Eu só me senti na liberdade de deletar a minha e é o que vou fazer...
beijos

Mara Tavares said

at 5:33 am on Oct 25, 2008

Gurias, fiz o que tinha dito pra Neila, deixei só a justificativa final e dei uma formatadinha na aparência, não mexi no conteúdo.
bjs, Mara.

Mara Tavares said

at 5:34 am on Oct 25, 2008

Será que precisa por embasamento teórico?

neila goulart said

at 2:19 pm on Oct 25, 2008

Olá meninas!!!
O negócio tá ficando show de bola!!!!
Mas e agora? Prá que lado vamos????

Pelo que entendi depois de ler nossas estratégias penso que vamos ter que fundamentar com nossas pesquisas o que estamos evidenciando... Mas gostaria de ter certeza se é isto mesmo...Quem se habilita a responder????

Help!!!! Quem poderá nos auxiliar!!!

Aguardo orientações...
Bjs

Mara Tavares said

at 2:21 pm on Oct 26, 2008

Gurias, com aquilo que já tínhamos coloquei o embasamento teórico, mas acredito que ainda faltem os outros autores que algumas estão lendo e não passaram ainda, façam assim, vão complementando o embasamento e colocando as referências ali em baixo, como no outro. Depois eu coloco as do que escrevi. Neila, deixo contigo lincar o embasamento, ok?
bjs no coração, Mara.

neuza3241@hotmail.com said

at 3:20 pm on Oct 26, 2008

Mara, achei ótima a tua idéia, ficou legal.

neila goulart said

at 8:20 am on Oct 27, 2008

Positivo e operante!!!! hehehehe

Pode deixar, lincar é comigo.
Eu tb tenho algumas pesquisas para acrescentar..
Gurizada coloquem tudo que vocês escreveram que eu depois organizo...

Ao trabalho!!!!

beijos

Neuza Rocha said

at 12:01 pm on Nov 7, 2008

Gurias preciso viajar nesse final de semana, porém deixem alguamcoisa para que eu possa contribuir na conclusão.
Bjs. neuza

neila goulart said

at 2:42 pm on Nov 8, 2008

Olá Pessoal !
Já estou trabalhando na organização da parte do desenvolvimento. Caso alguém tenha alguma coisa para acrescentar (espero que não), me avise, pois pretendo terminar ainda hoje. Ok!
Outra coisa, tomei a liberdade de retirar algumas colocações do corpo do desenvolvimento e utilizar na conclusão, pois achei bem legal.
Vou colocar na conclusão, mas caso alguém discorde, é só inserir no desenvolvimento novamente. Ok?


Boa viagem Neuza....Te aguardamos...Vá com Deus!

Bjs

neila goulart said

at 3:41 pm on Nov 8, 2008

Olá Garotas!!!!

Já conclui a organização do nosso texto, na parte do embasamento teórico. Gostaria que vocês olhassem e ficassem a vontade para fazer algumas alterações se acharem cabíveis.
Espero que esteja bom... Vou abrir o ítem conclusões com aquelas colocações que tirei do embasamento teórico. Ok?
Beijocas!

Neuza Rocha said

at 5:33 pm on Nov 10, 2008

Meninas posso colocar o depoimento lá do wiki de Educação na conclusão? Acho que ci como uma luva aqui também.
Bem vou colocar, se não achem legal ou inconveniente, por favor, sintam-se a vontade para retirá-lo.
Bjs a todas.

Neuza Rocha said

at 8:17 pm on Nov 10, 2008

Queridas, tasmbém tomei a liberdade de tirar algumas idéia do dessenvolvimento e colocar na conlusão, por favor, se não concordarem desevolvam as seu antigo lugar.
Bjs a todas.

Mara Tavares said

at 5:52 pm on Nov 14, 2008

Garotas, não sou boa em sínteses! Mas, aceitei o desafio. Vejam se ficou bom.
Agora, se precisar escrever alguma coisa embaixo do mapa que é o suprassumo da síntese, fazendo as palavras casarem no texto, vou deixar vocês mal, porque sou capaz de escrever um tratado no lugar da síntese.
Então, deixo esse encargo para outra começar, como fizemos na conclusão e a gente vai acrescentando, que tal, ainda temos dois dias!
Topam ou deixamos assim?
Porque no final das contas, acho que já dissemos tudo isso na conclusão, ao meu ver, o mapa foi a síntese.
bjs, Mara.

Neuza Rocha said

at 6:50 pm on Nov 14, 2008

Mara como estou me sentindo um pouquinho, bem pouquinho mais ousada acrescentei algumas coisinhas na síntese e modifiquei outras. Achei que ficou ótimo.
Ainda pretendo acrescentar as respostas do meu questionário, depois disso, acrescento algo lá na síntese, pois fiquei justamente com a parte da tecnologia na escola.
Outra coisa, temos que pensar na apresentação na aula presencial. Falei com a tutora Daniela Calleti que frisou a importância do predomínio do coletivo tb na apresentação de forma que o trabalho não fique prejudicado e fragmentado. Não é necessário a participação de todas, tipo jogral como se fazia antigamente. OK?
Bjs. Neuza

Mara Tavares said

at 3:00 pm on Nov 15, 2008

Certo Neuza, ok! Estou amando essa tua ousadia, acho que ultimamente tu tens andado muito comigo! hehehehe...
Tenho impressão que no dia da apresentação a gente vai se sair bem, afinal tudo isso foi construído colaborativamente! Não há o que temer e em 10 minutos, não vamos ter tempo de dizer bobagens, vamos nos focar só no que interessa.
Gostei muito da idéia de vocÊs de pps e vídeo, essas mulheres andam poderosas!
É só eu me ausentar uns dias do msn e vocês soltam a franga criando, estou começando a desconfiar que quem limita vocês sou eu. Será que sou mesmo tão autoritária assim?
bjs no coração, Mara.

You don't have permission to comment on this page.